Mostrando postagens com marcador Oração. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Oração. Mostrar todas as postagens

Lição 12 - A oração de Paulo pelos Efésios

 

Lições blicas de Jovens – 1° trimestre de 2021, CPAD | DATA DA AULA: 21/03/2021

TEXTO DO DIA

"Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo."  (Ef 3.14)

SÍNTESE

A oração de Paulo pelos cristãos em Éfeso é um marco de ousadia, intimidade e fé para com Deus. Seus efeitos, ainda hoje, têm uma total influência nos crentes que formam o Corpo de Cristo. 

Compartilhar:

Lição 5 – Neemias: A oração de um construtor (Classe: Jovens)

Lições blicas de Jovens – 1° trimestre de 2021, CPAD | DATA DA AULA: 31/01/2021

TEXTO DO DIA

"Estejam, pois, atentos os teus ouvidos, e os teus olhos, abertos, para ouvires a oração do teu servo, que eu hoje faço perante ti, de dia e de noite, pelos filhos de Israel, teus servos[...]."  (Ne 1.6)

Compartilhar:

Lição 1 – O Que Significa Orar

Lições blicas de Jovens – 1° trimestre de 2021, CPAD | DATA DA AULA: 03/01/2021

TEXTO DO DIA

"Perto está o SENHOR de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade." (Sl 145.18)

SÍNTESE

A oração é uma ação que possibilita ao cristão um relacionamento mais íntimo com Deus. Essa prática deve ser uma constante na vida do crente que necessita orar sempre, sem jamais desfalecer.

Compartilhar:

Lição 1 – Daniel ora por um despertamento

📚 Atenção! O subsídio Bíblico para esta lição está em nossa revista Digital Cristão Alerta. Acesse Aqui

Clique e Veja: 📒 Revista Cristão Alerta | Estudos Bíblicos 

Texto Áureo

"Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos." (Tg 5.16)

Verdade Prática

O crente dedicado à oração pode exercer influência no céu, na Terra e até contra os poderes malignos.

🎯 LEITURA DIÁRIA

Segunda – Lc 11.5-13: A certeza do atendimento à oração     

Terça – Dt 9.8-21: A oração de Moisés pelo povo    

Quarta – 2 Sm 7.18-29: Davi ora para edificar o templo 

Quinta – 1 Rs 8.22-61: A comovente oração de Salomão

Sexta – Ef 3.14-21: A oração de Paulo pelos Efésios

Sábado – Hc 3.1-19: Habacuque ora pelo Livramento

🎯 LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Daniel 9.1-3; 6.10; 2.17-19; Esdras 1.1-5

Daniel 9

1 NO ano primeiro de Dario, filho de Assuero, da linhagem dos medos, o qual foi constituído rei sobre o reino dos caldeus,

2 No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o SENHOR ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos.

3 E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, e saco e cinza.

Daniel 6

10 Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa ( ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém ), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.

Daniel 2.17-19

17 Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros;

18 Para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o restante dos sábios de Babilônia.

19 Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu.

Esdras 1

1 NO primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia ( para que se cumprisse a palavra do SENHOR, pela boca de Jeremias ), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo:

2 Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá.

3 Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que está em Judá, e edifique a casa do SENHOR Deus de Israel (ele é o Deus) que está em Jerusalém.

4 E todo aquele que ficar atrás em algum lugar em que andar peregrinando, os homens do seu lugar o ajudarão com prata, com ouro, com bens, e com gados, além das dádivas voluntárias para a casa de Deus, que está em Jerusalém.

5 Então se levantaram os chefes dos pais de Judá e Benjamim, e os sacerdotes e os levitas, com todos aqueles cujo espírito Deus despertou, para subirem a edificar a casa do SENHOR, que está em Jerusalém.

HINOS SUGERIDOS: 84. 296, 577 da Harpa Cristã

🎯 OBJETIVOS DESTA LIÇÃO:

I- Apresentar os motivos que levaram Daniela ser despertado para a oração;

II - Pontuar a resposta divina às orações de Daniel;

III- Destacar o resultado de um despertamento proveniente de Deus.

🎯 INTERAGINDO COM O PROFESSOR


Vamos iniciar mais um trimestre com a graça do nosso Senhor Jesus. Estudaremos "Os Princípios Divinos em Tempos de Crise: A Reconstrução de Jerusalém e o Avivamento Espiritual como Exemplos para os nossos Dias, um assunto que não pode ser negligenciado e muito menos esquecido pela Igreja do Senhor, principalmente nos dias em que a perseguição sutil vem, deforma crescente, abatendo sobre nós. Sempre que o povo de Deus passava por momentos difíceis, o despertamento mostrara-se o melhor caminho para a vitória dos servos de Deus sobre os seus inimigos.

Que o Senhor da Seara desperte sobre nós o avivamento puro e genuíno, capaz de mudar o cativeiro dos servos fiéis, fortalecendo-os na Palavra, incentivando-os a uma vida de oração e capacitando-os a levar o arrependimento a este mundo que caminha em densas trevas.


Ao introduzir a lição, apresente o comentarista deste trimestre, o saudoso pastor Eurico Bergstén, que comentou esta lição ainda na década de 90, cujo assunto permanece tão atual e necessário para os crentes de todas as épocas. Eurico Bergstén muito contribuiu com a literatura evangélica brasileira, sendo autor da Teologia Sistemática que leva o seu nome, bem como autor de diversos livros e comentarista de lições bíblicas. Vale a pena citar que o pastor foi o comentador que teve mais comentários publicados pela CPAD, 35 ao todo. São comentários que, até hoje, continuam abençoando e edificando vidas para a glória de Deus! É o que poderemos confirmar neste trimestre.

🎯 INTRODUÇÃO

Os crentes fiéis brilham como a Luz (Mt 5.15) e resplandecem no meio de uma geração corrompida e perversa (Fp 2.15). Assim era Daniel. Quando no ano 606 a.C. foi levado cativo para a Babilônia (Dn 1.1-4,6), era ainda muito jovem, tinha

cerca de 15 anos. Muitos anos depois, Daniel gozava de elevado conceito no reino da Babilônia.

🎯 PONTO CENTRAL

Precisamos estudar a Palavra e orar por despertamento espiritual. 

I - DANIEL FOI DESPERTADO PARA ORAR

Ao ler o profeta Jeremias (Jr 29.10), ele observou que os 70 anos de cativeiro na Babilônia estavam para findar. Todavia, ainda não era possível notar qualquer sinal de que alguma coisa estivesse acontecendo na direção de uma mudança radical (Dn 9.2).


Assim, Daniel começou a orar com jejum, cobrindo-se de saco e cinza, em sinal de profunda tristeza (Dn 9.1-3) e orou com perseverança.


1. Daniel vivia uma vida consagrada a Deus.

Isto dava-lhe condições de orar. A Bíblia diz: “A oração dos retos é o seu contentamento" (Pv 15.8) e Ele escutará a oração dos justos" (Pv 15 29). Daniel não se misturou com o paganismo, e vivia conforme sua consciência, no temor do Senhor. Daniel é siderado como um exemplo e um modelo para os crentes de todos os tempos (Dn 1.8).


2 A estatura espiritual de Daniel capacitava-o para enfrentar verdadeiros combates em oração.

Muitos cientes não conseguem servir de ajuda decisiva com as suas orações, porque nunca chegaram a experimentar o que significa combater em oração, o que significa perseverar firmemente em oração (Rm 12.12; Gl 1.30; Cl 2.1). Somente "visitam", de vez em quando, culto de oração. Daniel, porém, tinha por hábito orar três vezes ao dia (Dn 6.10). Quando sua própria vida, bem como a de seus amigos e a de todos os sábios da Babilônia, estava em perigo, Daniel alcançou o livramento e a vitória através da oração (Dn 2.18-20). Daniel era. portanto, experiente na vida de oração.

 

3. Coincidindo com o período de oração de Daniel, profundas mudanças estavam para acontecer na Babilônia.

O reino da Babilônia estava em guerra com medos e persas. O rei da Babilônia era na época Nabonido. Seu filho Belsazar estava na capital, a cidade da Babilônia, cuidando dos assuntos administrativos do governo. Belsazar organizou uma festa para seus grandes. Estando já embriagado, mandou trazer os vasos sagrados que o rei Nabucodonosor havia trazido do Templo de Deus em Jerusalém, e havia colocado no templo pagão da Babilônia. Ele e todos os seus convidados beberam vinho nestes vasos santos (Dn 5.2-4).

 

Houve então uma intervenção divina. O rei viu que dedos de mão de homem escreviam na parede, defronte do castiçal (Dn 55). Acabou-se a alegria da festa. Os joelhos do rei tremiam. Sábios e astrólogos não puderam interpretar a mensagem escrita na parede. Finalmente Daniel foi introduzido na festa (Dn 5.13) e interpretou o texto escrito na parede. Entre outras coisas, estava escrito: "Dividido foi o teu reino, e deu-se aos medos e aos persas" (Dn 5.28).

"Naquela mesma noite, foi morto Belsazar, rei dos caldeus" (Dn 5-30).


🎯 SÍNTESE DO TÓPICO I

Tudo o que aconteceu na vida de Daniel foi resultado de uma vida consagrada a Deus. Era através da oração que Daniel alcançava livramento e vitória contra seus inimigos.


🎯 SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

"Daniel foi um jovem hebreu da classe nobre, levado cativo à Babilônia por Nabucodonosor, rei do império. Acerca de sua genealogia não sabemos muita coisa, apenas aquilo que é depreendido do livro que traz seu nome. Não era sacerdote, como Jeremias e Ezequiel, mas era, como Isaías, da tribo de Judá e provavelmente da Casa Real (cf. 1.3-6), isto é, da descendência de Davi.

 

Daniel foi um profeta de Deus cujos temas são de alcance muito vasto. Vaticinou acontecimentos que ainda vão surgir na história do Planeta, os quais estamos estudando à luz do contexto do seu próprio Livro. Ele, naquela corte, ganhou muita celebridade, O primeiro acontecimento peto qual obteve influência na corte babilônica foi a interpretação que deu ao sonho do rei. Ele foi, realmente, um homem escolhido por Deus para tão grande tarefa espiritual" (SILVA, Severino Pedro. Daniel Versículo por Versículo: As visões para esses últimos dias. 28ª imp., Rio de Janeiro: CPAD, 2018, p.12).

II - A RESPOSTA ÀS ORAÇÕES DE DANIEL

Daniel havia orado, lembrando-se da promessa de Deus registrada pelo profeta jeremias: "Vos visitarei e cumprirei sobre vós a minha boa palavra, tornando-vos a trazer a este lugar” (Jr 2910).

 

Com a queda do reino babilônico, e com o início do governo do rei Ciro, as coisas evoluíram com muita rapidez, deixando todos surpreendidos e admirados.

 

1. A Bíblia relata o que realmente aconteceu.

"No primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia (para que se cumprisse a palavra do SENHOR, por boca de Jeremias), despertou o SENHOR o espírito de Ciro, rei da Pérsia, o qual fez passar pregão por todo o seu reino, como também por escrito, dizendo: Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR, Deus dos céus, me deu todos os reinos da terra; e ele me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que é em Judá. Quem há entre vós, de todo o seu povo, seja seu Deus com ele, e suba a Jerusalém, que é em Judá, e edifique a Casa do SENHOR, Deus de Israel; ele é o Deus que habita em Jerusalém" (Ed 1.1-3).

 

2. Conforme esta declaração de Ciro, estava cumprida a promessa divina dada através do profeta Jeremias.

Mas tudo foi como diz a Bíblia: "Tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos" (Ef 3.20).

Vejamos, pois, o que estava para acontecer:

a. Todos os Judeus seriam liberados para voltarem a Judá, caso quisessem (Ed 1.3).

b. Receberam permissão para reedificar o templo.

c. Todas as despesas da construção do Templo poderiam ser tiradas dos tributos de além do rio.

d. Os vasos sagrados devem ser entregues aos cuidados de Zorobabel, nomeado governador dos judeus pelo rei Ciro, para serem transportados de volta para Jerusalém (Ed 1.7).

🎯 SÍNTESE DO TÓPICO II

A resposta divina às orações de Daniel incluía levantar Ciro para abençoar o seu povo, permitindo, entre outras ações, que o povo retornasse para Judá e reconstruísse o Templo.

🎯 SUBSÍDIO BÍBLICO

Oração

A terminologia da oração é rica e variada na Bíblia Sagrada. O termo geral hebraico é tepilla, de uma forma do verbo palal; o termo grego é proseuche, onde o passivo médio é proseuchomai. A ideia básica da palavra hebraica é a intercessão, e da palavra grega é o voto, mas essa etimologia não é mais o determinante de seu significado. As duas palavras podem ser usadas de forma abrangente para qualquer tipo de solicitação, intercessão ou ação de graças. A oração é descrita como o ato de "invocar o nome do Senhor" desde os dias de Sete (Gn 4.26) até a época em que o 'Senhor' se revelou como o Salvador, Jesus Cristo (Jl 2.32, com Rm 10.9,12,13).

 

Os cristãos identificam se com aqueles que invocam seu nome (1 Co 1.2). Outras expressões do AT são ‘suplicar' ou ‘procurar o favor' de Jeová (pi'el de hala, literalmente ‘tornar-se agradável à sua face'), ‘curvar-se em adoração' (shaha), ’aproximar-se' (nagash) , ‘ver' ou ‘encontrar' para suplicar (paga') , ’implorar' (za'aq) para reparar uma falta, ‘pedir’ (sho’al), ‘suplicar’ ('athar) ou ‘comparecer perante a face do Senhor’. Além de proseuchomoai, os autores do NT usam os termos ‘implorar’ (deomai), ’solicitar' (aiteo) ou simplesmente 'pedir' (erotao) quando se referem à oração. Ao contrário de proseuchomai, essas palavras não são caracteristicamente ‘religiosas' e podem denotar pedidos dirigidos tanto aos homens quanto a Deus. Entre as palavras mais específicas para oração estão entygkano (interceder), proskyneo (adorar), e eucharisteo (dar graças)" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006. p. 1419-20).

 

III  - O RESULTADO DE UM DESPERTAMENTO PROVENIENTE DE DEUS

1.O rei Ciro foi despertado em seu espírito.

“Despertou o Senhor o espírito do rei Ciro” (Ed 1.1). Talvez por meio de seu contato com Daniel é que Ciro veio a conhecer a Deus, e talvez até mesmo o adorasse. Ciro teve uma experiência pessoal com Deus no seu coração, e passou a compreender as realidades de Deus que ele antes ignorava.

 

a. Ciro passou a ver a Deus como o SENHOR DOS CÉUS (Ed 1.2).

O grande rei Nabucodonosor demorou a aprender esta lição (Dn 4.30-37). Cada despertamento verdadeiro faz com que o homem veja a majestade de Deus, sentindo a sua própria pequenez, o seu pecado e a sua baixeza. Saulo assolava, perseguia, fazia e desfazia, mas quando se encontrou Jesus, no caminho de Damasco, caiu por terra e apenas pôde perguntar: "Quem es Senhor?" (At 9.5). A Bíblia diz que ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor se não for pelo Espírito Santo (1 Co 12.3).

 

b. Ciro teve uma experiência com Deus, que é Santo.

Os vasos sagrados haviam sido roubados do Templo de Jerusalém, por Nabucodonosor, e guardados no templo pagão da Babilônia (2 Cr 36.18). Ciro era, agora, o responsável por eles, e mesmo sendo esses vasos muito valiosos, ele queria voluntariamente devolvê-los (Ed 1.7-11)

 

Assim acontece sempre em cada despertamento verdadeiro. Quando Zaqueu teve seu encontro com Jesus, quis devolver o que havia ganho com usura (Lc 19.8).

 

2. O rei Ciro recebeu bênçãos espirituais.

O profeta Isaías, 200 anos antes, profetizou acerca de Ciro chamando-o de "ungido do Senhor" (Is 45.1). Isso nos permite entender que o Espírito Santo deve ter-lhe proporcionado alguma bênção espiritual. Cada Despertamento traz bênçãos para o coração do crente.

 

🎯 SÍNTESE DO TÓPICO III

O rei Ciro veio a conhecer a soberania divina e ver Deus como o Senhor dos céus e por isso foi muito abençoado pelo Todo Poderoso.

 

🎯 SUBSÍDIO HISTÓRICO

“[...] Ciro, um general de inteligência estratégica admirável, passou parte de sua vida desferindo ataques-relâmpago contra vários adversários, tanto próximos quanto distantes. Com a experiência de guerra, Ciro cercou Babilônia, tornando-a praticamente sem resistência em 539.

 

O rei Nabonido tinha o hábito de ausentar-se da capital, e fazia-o até mesmo ou especialmente) nas comemorações de Ano Novo, quando como de costume participava dos rituais tradicionais. Suas ausências eram cada vez mais frequentes e demoradas, de forma que o real governo da cidade estava na mão de seu filho Belsazar. Foi este desafortunado vice-rei que presenciou o colapso da nação com a chegada de Gubaru, o comandante persa e governador de Gutium. Parece que Belsazar morreu durante ou pouco depois do conflito, enquanto seu pai Nabonido foi capturado e em seguida solto condicionalmente. Duas semanas depois, Ciro marchou triunfantemente pela cidade e celebrou com alegria a derrota de seu rival, tornando-se o senhor absoluto do oriente.

 

Ciro pôs em prática uma política beneficente, permitindo a todos os exilados o retorno para suas terras. Os judeus, é claro, também estavam incluídos, e viram neste decreto a bênção de Deus, como cumprimento da palavra profética, Para eles, esta libertação não era menos significativa que aquela do êxodo sob a liderança de Moisés. Na verdade, a linguagem dos profetas, por exemplo Isaías 40 - 66, está repleta de imagens do êxodo. É verdade que a maioria dos judeus da dispersão preferiu permanecer em suas casas, especialmente os que moravam em Babilônia, mas aqueles que tinham seus olhos voltados para o propósito eterno de Deus viram no cativeiro um instrumento de correção. E o retorno à pátria era o sinal de que ainda tinham um papel redentor a desempenhar" (MERRIL, Eugene H. História de Israel no Antigo Testamento: o reino de sacerdotes que Deus colocou entre as nações.  Ed. Rio de Janeiro: CPAD 2007, pp. 503,04).

PARA REFLETIR

A respeito de "Daniel Ora por um Despertamento", responda:

• Com quantos anos, aproximadamente, foi Daniel levado à Babilônia?

Daniel era ainda muito jovem, tinha cerca de 15 anos de idade.

• Que escritura profética levou Daniel a orar e jejuar?

A profecia de Jeremias (Jr 29.10).

• O que esta escritura dizia?

A escritura profética dizia estar chegando ao fim o cativeiro dos judeus.

• O que aconteceu no primeiro ano de Ciro, rei da Pérsia?

O Senhor despertou o coração deste rei em favor do povo de Judá, favorecendo o retorno deste à Terra Prometida.

• Cite um exemplo bíblico de um despertamento verdadeiro.

Quando Zaqueu teve o seu encontro com Jesus.

Fonte: Lições Bíblicas do 3° trimestre de 2020 - CPAD | Classe: Jovens/Adultos | Comentarista: Eurico Bergstén | Reverberação: www.cristaoalerta.com.br

VEJA TAMBÉM ESSAS PUBLICAÇÕES:

Compartilhar:

Lição 10 - A Intercessão pelos Efésios

Lição 10 - A Intercessão pelos Efésios
📚 Obs. Por causa da pandemia do COVID-19, as igrejas não ministraram as aulas presenciais da escola dominical no 2° trimestre de 2020, portanto, a Revista do 2° trimestre será usada no 3° trimestre de 2020.
Lições Bíblicas do 2° e 3° trimestre de 2020 - CPAD
Classe: Adultos
Comentarista: Pr. Douglas Baptista

TEXTO ÁUREO
“Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome.” (Ef 3.14,15)

VERDADE PRÁTICA
Devemos interceder pelos eleitos de Cristo para que eles sejam fortalecidos de poder, vivam em comunhão e exercitem o amor de Deus.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Mt 6.7-15
Jesus ensina os discípulos a orar
Terça - Fp 4.6,7
Devemos apresentar as nossas petições diante de Deus
Quarta - 1 Jo 5.14
Deus escuta as orações e, segundo a sua vontade, nos ouve
Quinta - Mt 6.7
Cristo ensinou que a oração deve ser feita sem o uso de vãs repetições
Sexta - Jr 33.3
Ao que clama, Deus promete responder e revelar verdades
Sábado - Rm 8.26
O Espírito Santo intercede por nós com gemidos inexprimíveis

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Efésios 3.14-21

14 - Por causa disso, me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo,
15 - do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome,
16 - para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior;
17 - para que Cristo habite, pela fé, no vosso coração; a fim de, estando arraigados e fundados em amor,
18 - poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade
19 - e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.
20 - Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera,
21 - a esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém!

HINOS SUGERIDOS: 83, 545, 577 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Apreender a eficácia da oração no fortalecimento, restauração e crescimento espiritual da Igreja de Cristo.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I - Refletir acerca dos propósitos da oração do apóstolo Paulo no poder do Espírito;
II - Destacar a necessidade de a Igreja estar arraigada e fundada no amor de Deus;
III - Conscientizar de que Deus é capaz de fazer muito além do que pedimos.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
A lição que estudaremos nesta semana fala sobre o valor da oração intercessória. Nela, veremos o quanto o apóstolo apresentava a Deus a igreja que ele amava. Ele nos mostra que a oração intercessória está baseada no amor que temos uns pelos outros. Quando isso é uma realidade, a tristeza do irmão nos toca; as dificuldades deles tomam o nosso coração; e, assim, nos colocamos diante de Deus para apresentar as suas causas Àquele que tudo pode. Então, na confiança de que Ele pode fazer tudo além do que pedimos ou pensamos, esperamos a resposta das demandas de nossos queridos irmãos.

INTRODUÇÃO
Após revelar o mistério oculto e todas suas dádivas (3.1-13), apóstolo Paulo passa a orar em favor da Igreja de Cristo (3.16-19). Na intercessão paulina aprendemos que Deus pode fazer tudo além do que pedimos ou pensamos, sendo Ele o único que é digno em ser glorificado (3.20,21). Refletir sobre a oração intercessora do apóstolo é o tema desta lição.

PONTO CENTRAL
Temos o dever de interceder uns pelos outros em amor

I – CORROBORADOS COM O PODER DO ESPÍRITO

O apóstolo inicia sua oração ao Senhor com um pedido duplo: o poder do Espírito no homem interior e a presença de Cristo nos corações dos crentes (3.16,17).

1. As riquezas da sua glória.
Paulo apresenta sua oração confiado “nas riquezas de sua glória [a de Deus]” (3.16). O apóstolo já havia declarado que Deus é “o Pai da glória” (1.17), cheio de “abundantes riquezas de sua graça” (2.7; 3.8). O que significa que Ele é possuidor de todas as glórias e despenseiro de ricas e ilimitadas bênçãos. Em razão disso, Paulo pede para que a Igreja seja fortalecida com poder, que seja habitada por Cristo, que compreenda o amor divino e tenha pleno desenvolvimento espiritual (3.16-19).

2. Fortalecidos com poder.
O primeiro pedido do apóstolo é para que a Igreja seja corroborada “com poder pelo seu Espírito no homem interior” (3,16). Essa petição não quer dizer que a Igreja em Éfeso não tivesse o Espírito de Deus (1.14), mas que ela fosse continuamente revigorada com poder e, consequentemente, em seu fortalecimento diário (1 Co 16.13). Ainda enfatiza que a única força que habilita o crente a se manter firme advém do Espírito Santo (Jo 14.16,17), que atua no homem interior e capacita o crente a perseverar, a manter-se afastado do pecado e a compreender as coisas espirituais (1 Co 2.12-16).

3. Habitados por Cristo.
O apóstolo também orou para que Cristo habitasse pela fé nos corações dos santos (3.17), o que também não significa dizer que Cristo não estivesse presente na Igreja em Éfeso. No versículo em questão, o verbo grego é katoikein, significa “habitação permanente” em oposição à “habitação temporária”. Isso indica que a oração apostólica era para que Cristo habitasse continuamente na vida da Igreja. Assim, o ensino apostólico ratifica que sem Cristo, a igreja não pode subsistir as forças do mal (Mt 16.18).

SÍNTESE DO TÓPICO I
O poder e a presença de Cristo capacitam os salvos a prosseguirem vitoriosos na gloriosa jornada cristã.

SUBSÍDIO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO
Esta lição é uma daquelas que devemos desafiar nossos alunos a praticá-la. Após fazer a exposição de todo o conteúdo dominical, separe um período para uma atividade prática. Reserve alguns minutos e abra oportunidade para que os alunos façam um pedido de oração. De acordo com a necessidade em classe, separe ou indique dois ou três alunos para que apresente as demandas de oração dos demais diante do Pai. Faça com que este momento seja de grande envolvimento de amor e espiritualidade. Oremos uns pelos outros.


II – ARRAIGADOS E FUNDADOS EM AMOR

O amor é a mensagem central do Evangelho de Cristo. Um dos propósitos da oração de Paulo foi para que a Igreja entendesse e exercitasse o amor de Deus.

1. Amor: a virtude cristã.
Nas Escrituras o amor é atributo divino: “Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor” (1 Jo 4.8). Foi por amor que Cristo se entregou para o resgate da humanidade (5.2). O amor é o resumo da lei e dos profetas (Mt 22.40), o sinal dos discípulos de Cristo (Jo 13.35), a prova de filiação com Deus (1 Jo 4.7) e deve ser expresso por meio de atitudes concretas (1 Jo 3.17). O amor é a maior de todas as virtudes e o princípio que norteia o fruto do Espírito (1 Co 13.13). Ciente dessa relevância, o apóstolo implora a Deus para que o viver da Igreja seja arraigado e alicerçado no amor.

2. Arraigados e fundados em amor.
Após rogar ao pai pelo poder do Espírito e a habitação de Cristo, o apóstolo clama para que a Igreja possa também compreender e praticar o amor (3.16,17). A expressão “arraigados e fundados em amor” (3.17) compara os santos como uma planta bem enraizada e uma casa bem alicerçada. Indica que sem o amor, a vida cristã não tem sustentação alguma (1 Co 13.1-3). Por causa disso, o apóstolo insiste pela total compreensão de “qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade” do amor divino (3.18). O uso dessas expressões aponta para a vastidão do amor de Cristo, “que excede todo o entendimento” (3.19) e indica que a lógica humana não pode mensurar o amor de Deus.

3. A intensidade do amor de Cristo.
Consciente de que somente o Espírito pode fazer entender e experimentar a grandeza do amor de Deus, Paulo pede para que os crentes conheçam a intensidade do amor de Cristo (3.18,19). A ênfase recai em que Cristo nos amou e ainda nos ama e que, por isso, devemos amar uns aos outros (1 Jo 4.10-11). O apóstolo sabe que o esforço humano não pode atingir essa meta; assim, ele acrescenta esse pedido à oração para que os crentes sejam “cheios de toda a plenitude de Deus” (3.19).

SÍNTESE DO TÓPICO II
Nesse ponto, Paulo enfatiza a necessidade da total compreensão do amor de Deus e o crescimento espiritual dos crentes até alcançar a perfeição.

SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO
‘... Nos vossos corações’.
A palavra ‘coração’ aparece com dois sentidos na Bíblia. Primeiro, como os sentimentos à parte do entendimento. Segundo, como toda a alma, incluindo o intelecto e os sentimentos. Neste último sentido, a Bíblia fala de ‘coração entendido’ (1 Rs 3.9,12; Pv 8.5), e também como ‘pensamentos, planos e conselhos do coração’ (Jz 5.15; Pv 19.21; 20.5). A palavra ‘coração’ tem significado figurativo na Bíblia  e deve ser entendida assim. O coração é tratado como o centro da vida espiritual do crente. Caráter, personalidade, mente e vontade são termos modernos que refletem uma pessoa, e na Bíblia estes termos são conhecidos como ‘coração’.

[...] ‘A fim de, estando arraigados e fundados em amor’ sugerem duas ilustrações. Elas ilustram uma árvore e um edifício. O termo ‘arraigados’ pode figurar como a plantação de uma árvore; é a representação que melhor ilustra a Igreja e foi usada por Jesus – a videira (Jo 15.5). Já a palavra ‘fundados’ tem a ver com fundamento e sugere a figura de um edifício, a Igreja (Ef 2.20; Cl 1.23; 2.7). Conforme o texto nos dá a entender, nossas raízes e fundamentos são firmados no amor. O amor é a base do crescimento e do fortalecimento de nossas raízes em Cristo; a firmeza e a solidez do fundamento de nossa fé estão no amor de Cristo. Tanto uma árvore bem arraigada quanto o nosso fundamento, feito unicamente sobre a Palavra de Deus, indicam que a vida cristã não deve ser superficial nem basear-se em fundamentos rotos (Mt 7.24-27)” (CABRAL, Elienai. Comentário Bíblico Efésios. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp.65-66).


CONHEÇA MAIS
*Comparações de  Amor entre o AT e NT
“A comparação dos usos do AT ('aheb-agapao) e do NT (agapao) mostra quão diversos são os objetos do amor; por exemplo. (1) marido-mulher (Gn 24.67; Ef 5.25), (2) o próximo (Lv 19.18; Mt 5.43; 19.19), (3) dinheiro (Ec 5.9; 2 Pe 2.15), (4) um amigo (1 Sm 20.17 - Davi e Jônatas; Jo 11.5 - Jesus-Marta, (5) uma cidade (Sl 78.68; Ap20.9” Para saber mais leia: Dicionário Vine, CPAD, p.93.

III – A BÊNÇÃO DE DEUS EXCEDE O PENSAMENTO HUMANO

Em sua audaciosa intercessão em favor da Igreja, o apóstolo ensina que Deus é capaz de fazer muito além do que pedimos, e, que o Eterno deve ser glorificado para sempre.

1. A dimensão das bênçãos divinas.
Ao concluir a ousada oração, Paulo lembra de que a magnitude do poder de Deus é capaz de fazer “muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos” (3.20). Isso indica que o que Deus pode fazer ultrapassa em muito nossos melhores anseios e desejos. Quer dizer que a mente humana é incapaz de alcançar a dimensão das bênçãos divinas. Nesse sentido, Paulo declara que as coisas que sequer “subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam” (1 Co 2.9). Essa instrução mostra que os pensamentos do Senhor são muito mais altos do que os nossos (Is 55.9). Desse modo, o poder divino que age na vida do crente e suas bênçãos disponíveis são impossíveis de dimensionar. A grandeza do poder de nosso Deus é capaz de responde para além das mais corajosas orações (1 Rs 3.5-14).

2. O convite para adoração.
Paulo encerra esse capítulo com o convite de adoração a Deus, cuja glória é devida “na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações” (3.21). A conclusão paulina não poderia ter sido diferente. Nos versículos anteriores ele discorreu acerca da boa nova do mistério revelado (3.3-5), das muitíssimas riquezas de Cristo conferidas a Igreja (3.8,9), da grandeza do poder de Deus (3.16), e da infinitude do amor e de todas as bênçãos divinas que excedem a compreensão humana (3,19,20). Além dessas e das demais bênçãos, a única coisa a ser acrescentada era o louvor ao Senhor Deus, detentor de tamanhas dádivas.

3. A glória devida a Deus.
Finalmente, Paulo prossegue a ensinar que Deus deve ser glorificado “na Igreja e em Cristo”. Quer dizer que os atos de louvar e glorificar a Deus fazem parte dos propósitos da instituição da Igreja (1.6,12,14). A Igreja nunca terá glória em si mesma, pois toda a glória é exclusivamente tributada para Deus por intermédio da Obra de Cristo (Sl 115.1; Jo 13.31,32). Em sua oração, o apóstolo anela que essa postura de adoração e exaltação a Cristo perdure “por todas as gerações” e enfatiza seu pedido com a frase “para todo o sempre” (3.21), o que significa que deve ser praticada por todos os crentes.

SÍNTESE DO TÓPICO III
As bênçãos espirituais são ilimitadas e estão disponíveis ao cristão, e, somente o nome de Deus deve ser eternamente glorificado.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“Paulo, ao final de sua segunda oração, faz uma doxologia ao Deus Todo-Poderoso, que ouve e responde às orações. A oração do apóstolo parece ter alcançado um grau tão alto e sublime que nada poderia impedir a sua resposta.

Para Paulo, Deus responde não somente ao que nós pedimos mas Ele pode fazer muito mais do que pedimos ou pensamos (v. 20). A total confiança no ilimitável amor divino move o coração de Deus, e a resposta divina chega com bênçãos excedentes, isto é, sempre acima do que pedimos ou pensamos. Para que isso aconteça, é necessário que nossos desejos, aspirações e vontades sejam canalizados para o centro da vontade de Deus, e Ele, como lhe convier, responderá às nossas orações.

Ele é poderoso não só para fazer tudo o que pedimos ou pensamos, mas para fazer tudo além do que pedimos ou pensamos, para fazer tudo muito mais abundantemente além do que pedimos ou pensamos” (CABRAL, Elienai. Comentário Bíblico Efésios. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, pp.68-69).

CONCLUSÃO

A ousada intercessão de Paulo anelava o fortalecimento da Igreja. O apóstolo tinha ciência de que o perseverar do cristão dependia de quatro princípios basilares, os quais ele pediu a Deus em oração: o fortalecimento de poder, a presença plena de Cristo, o intenso exercício do amor de Deus e o contínuo crescimento espiritual até encontrar a perfeição. Durante esse processo, o povo de Deus deve glorificá-Lo em todo o tempo.

PARA REFLETIR
A respeito de “A Intercessão pelos Efésios”, responda:

• O que o apóstolo Paulo pede?
Paulo pede para que a Igreja seja fortalecida com poder, que seja habitada por Cristo, que compreenda o amor divino e tenha pleno desenvolvimento espiritual (3.16-19).

• Qual é a única força que habilita o crente a se manter firme?
A única força que habilita o crente a se manter firme advém do Espírito Santo (Jo 14.16,17), que atua no homem interior e capacita o crente a perseverar, a manter-se afastado do pecado e a compreender as coisas espirituais (1 Co 2.12-16).

• Qual a maior de todas as virtudes?
O amor é a maior de todas as virtudes e o princípio que norteia o fruto do Espírito (1 Co 13.13). 

• Qual a ênfase da oração apostólica?
A ênfase recai em que Cristo nos amou e ainda nos ama e que, por isso, devemos amar uns aos outros (1 Jo 4.10-11).

• Como Paulo encerra Efésios 3?
Paulo encerra esse capítulo com o convite de adoração a Deus cuja glória é devida “na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações” (3.21).

Compartilhar:

VEJA PUBLICAÇÕES EM DESTAQUES ⤵️ :

️ RECEBER NOVIDADES DO PORTAL CRISTÃO ALERTA
👍 Cadastre grátis seu e-mail para que possamos lhe enviar as novidades e lhe avisar sempre que o Portal Cristão Alerta publicar novos Estudos Bíblicos.
👍 Passos:
1) Digite seu MELHOR e-mail e clique em CADASTRAR;
2) Em seguida abra o seu E-mail clique no link de confirmação que lhe enviaremos, afim de confirmar seu cadastro.

De PCA