Mostrando postagens com marcador Coronavírus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Coronavírus. Mostrar todas as postagens

Conceitos Básicos sobre Medicamentos e como Combater COVID-19

Existem alguns conceitos básicos que os profissionais dão como certo que todos sabem. Aparentemente, algumas coisas devem ser melhor explicadas.

⚠️⚠️ Primeiro, ninguém deve tomar o medicamento sem ser examinado pelo médico e aconselhado a tomá-lo. Muitas críticas ao COVID-19 são baseadas no pressuposto de que todo mundo pode acabar e começar a tomar pílulas de hidroxicloroquina como doces.

A IMPORTÂNCIA DO MÉDICO NESTE SENTIDO:
Um médico avalia um paciente e examina fatores de risco, alergias a medicamentos e outras "contra-indicações".

⚠️⚠️ Segundo, não devemos procurar apenas uma solução. Os médicos precisam selecionar o melhor medicamento para cada indivíduo, geralmente tentando um e depois outro.

DOIS EXEMPLOS DE REMÉDIOS SENDO TESTADOS

1) REMDESIVIR ANTIVIRAL

O remdesivir antiviral parece o mais promissor no momento. Celebraríamos essas ótimas notícias se o remdesivir for inequivocamente comprovado.

 Mas devemos esperar ter vários tratamentos que permitam aos médicos selecionar a melhor resposta para cada paciente, em diferentes estágios da doença, diferentes sintomas e diferentes gravidades. Não devemos procurar encerrar nenhuma linha de pesquisa.

O remdesivir é um antiviral que visa especificamente uma enzima no genoma viral (RNA polimerase dependente de RNA; RdRp).

Direcionar diretamente o vírus parece ser a abordagem mais racional, em vez de tratar as respostas inflamatórias subsequentes causadas pelo vírus.

Além disso, o remdesivir tem menos riscos que a hidroxicloroquina para efeitos colaterais graves.

2) HIDROXILCLOROQUINA

A hidroxilcloroquina é um medicamento anti-reumatóide, frequentemente usado quando combinado com a azitromicina antibacteriana (AZT ou Z-pack). Ele pode combater a inflamação e / ou ajudar a transportar zinco para as células, o que reduz a reprodução viral.

⚠️⚠️ Terceiro, o tratamento não é "defina e esqueça".

Mesmo com as melhores decisões, um paciente pode não responder conforme o esperado; monitorar e fazer mudanças é o que os médicos responsáveis ​​fazem.

Os medicamentos podem afetar pessoas diferentes de maneira diferente. Algumas pessoas realmente experimentam um efeito oposto em comparação com outras pessoas. Alguns têm alergias.

As diferenças genéticas podem mudar a forma como as pessoas respondem a qualquer medicamento.

⚠️⚠️Quarto, estamos vendo uma marcha constante à frente dos ensaios clínicos.

Eles estão sendo apressados ​​por causa da crise mundial contra o que normalmente seria um cronograma de 12 a 24 meses.

Esses esforços acelerados envolvem grupos de estudo menores, buscando respostas parciais mais rápidas do que normalmente seriam usadas.

Nossa cultura moderna é impaciente por respostas rápidas. Como é de se esperar em pequenos ensaios rápidos, os resultados podem ser controversos.

Mas um dos objetivos desses ensaios clínicos é descobrir quando, no ciclo de vida de uma doença, um tratamento pode ajudar e sob quais circunstâncias.

Então, um medicamento evita que uma doença se torne grave? Ou pode combater uma doença que já se manifestou com os piores sintomas?

⚠️⚠️ Quinto, os medicamentos são realmente complicados. Praticamente todos os medicamentos não apresentam efeito em algumas pessoas, são benéficos na maioria dos pacientes e podem ser tóxicos para um subconjunto infeliz de pessoas. Portanto, os primeiros testes rápidos e desleixados podem não ser capazes de delinear todas as nuances de qualquer medicamento em teste.

Ouvimos dizer que os pacientes são retirados de algum estudo devido a reações adversas. Essas informações podem ajudar os médicos a prescrever um equilíbrio de vários medicamentos, tomados em conjunto e na dosagem certa.

⚠️⚠️ Sexto, houve confusão sobre a palavra "cura". Nossa informação até agora é que o COVID-19 segue seu curso, por si só, em aparentemente 2 a 8 semanas. Nós não falamos sobre uma "cura" para a gripe. Nós apenas gerenciamos até o sistema imunológico do corpo derrotar a infecção.

O verdadeiro desafio é se os sintomas se tornam tão graves que o corpo não consegue superar o vírus - para que o paciente morra antes que o sistema imunológico possa vencer a batalha. Portanto, tratar os sintomas é importante. Se o corpo puder ser protegido e fortalecido contra os piores efeitos da doença, ganhará tempo e resistência para matar a infecção por conta própria. Alguns tratamentos podem não ser uma "cura", mas ainda são muito importantes.

📖 Maio/2020 - Via American Thinker
💻 Tradução/Adaptação: Cristão Alerta
Compartilhar:

Vietnã: o país pobre que derrotou a Covid-19

Uma nação pobre do Sudeste Asiático vem espantando o mundo. Trata-se do Vietnã. Com 1.100 quilômetros de fronteira com a China, origem da pandemia, o país registrou apenas 324 infectados e nenhuma morte. Isso mesmo, não houve vítimas fatais. Um resultado espantoso, que coloca o Vietnã no restrito clube dos que conseguiram debelar o surto antes que ele se espalhasse. São eles Coreia do Sul, Alemanha, Nova Zelândia, Portugal, Islândia e China.

🔍VEJA.COM

Compartilhar:

O que é o Coronavírus?

"Covid-19. Foi assim que Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), anunciou o nome oficial da agência para a doença.

Um batismo que acabou com seis semanas de incerteza sobre a forma como seria chamada, depois de já ter gerado alguma polemica com a cerveja Corona. Mas o novo nome agora adotado também criou nova confusão. Ou seja, Covid-19 é um nome para a doença, não para um vírus que a causa, que até agora também tinha uma sigla temporária, 2019-nCoV, significando apenas que era um novo coronavírus que surgiu no ano passada (2019). Mas o agente patogênico também recebeu uma nova designação mesmo antes do fim da conferência de imprensa da OMS ou seja, o Grupo de Estudos sobre Coronavírus (CSG), do Comité Internacional de Taxonorma de Vírus, aproveitou o momento para considerar que este vírus passaria a chamar-se: vírus de síndrome respiratória aguda grave de coronavírus 2, ou SARS-CoV-2.

Digamos que os mal-entendidos eram expectáveis. No fim do anúncio, quem estava na conferência de imprensa correu para o Twitter a anunciar que "o vírus tinha finalmente um nome", corrigindo, pouco depois, que aquele era o nome da doença. E a verdade é que, embora a nomenclatura possa ser uma questão menor perante a crescente crise de saúde pública até alguns virologistas ficaram surpresos com os anúncios aparentemente em conflito. Como Marion Koopmans, do Erasmus Medical Center.

"Concordo que é um pouco confuso", disse, entretanto, o também virologista Alexander Gorbalenya da Universidade de Leiden, membro do CSG. Segundo Tedros, o nome escolhido procurava evitar referências a uma localização geográfica específica, espécie animal ou grupo de pessoas, de acordo com as recomendações internacionais para nomes que visam impedir a estigmatização. Anteriormente, a OMS chamava-lhe “doença respiratória aguda 2019-nCoV" (...).


Só que isso já tinha provocado outra confusão, depois de algumas marcas com nomes parecidos se terem visto obrigadas a emitir esclarecimentos fora do comum. Uma delas foi a cerveja Corona - depois de se ter sabido que as pesquisas por "cerveja de coronavírus" e “vírus de cerveja" aumentaram acentuadamente nas últimas duas semanas, de acordo com as tendências de pesquisa no Google. A marca acabaria mesmo por ter de se socorrer de slogans como "A sua Corona está protegida contra os coronavírus, não é necessário adicionar desinfetante". E seguiu-se, como é comum nestes casos, uma enchente de memes.


Resumo em Perguntas e Respostas

1) O QUE É A COVID-19?
É unia doença infeciosa causada por um coronavírus. Este vírus, intitulado SARS-CoV-2. foi identificado pela primeira vez em dezembro de 2019 em Wuhan, na China. Este novo agente nunca tinha sido previamente identificado em seres humanos, tendo causado um surto naquela cidade.

2) O QUE É CORONAVÍRUS?

É uma família extensa de vírus que podem causar doenças em humanos e em animais. Nos humanos, sabe se que causam infeções respiratórias que podem ir do resfriado comum a pneumonias mais graves. Alguns causaram problemas há não muito tempo, como a síndrome respiratória do Médio Oriente (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS).

3) COMO SE PROPAGA?

Pode contrair-se por contacto com uma pessoa infetada. A doença pode propagar se através das gotículas do nariz e da boca que saem quando uma pessoa infetada tosse ou espirra. Estas gotículas caem sobre os objetos e as superfícies que rodeiam a pessoa o que leva a que outras passam ser contaminadas caso toquem nesses objetos ou nessas superfícies e logo depois mexam na boca no nariz e nos olhos. Também podem contagiar se se inalarem gotículas de uma pessoa infetada por isso, é importante manterem-se a mais de um metro de distância de uma pessoa doente.

4) OS SINTOMAS SÃO IGUAIS EM TODOS OS DOENTES?

Os sintomas mais comuns são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem ter congestão nasal, rinorreia, dor de garganta ou diarreia Estes sintonias aparecem de forma gradual. Algumas pessoas são infectadas, mas não desenvolvem sintomas.

A maioria das pessoas (80%) recupera sem necessidade de fazer qualquer tratamento especial. Cerca de uma em cada seis pessoas infetadas desenvolve uma doença grave e tem dificuldade em respirar.

Os mais velhos e os que sofrem de outras doenças, como hipertensão, problemas cardíacos ou diabetes, têm mais probabilidade de desenvolver uma situação grave.

5) QUAL O PERÍODO DE INCUBAÇÃO?

Na maioria das estimativas, o tempo que decorre entre a infeção e o aparecimento de sintomas oscila entre 1 a 14 dias. Em regra, situa-se perto dos cinco dias. Estes dadas estão em constante atualização.

6) QUANTO TEMPO 0 VÍRUS SOBREVIVE EM SUPERFÍCIES?

Não se sabe ao certo quanto tempo o vírus que causa a Covid-19 sobrevive em superfícies, mas ele parece comportar-se como outros coronavírus. Uma série de estudos aponta no sentido de que os coronavírus (incluindo informações preliminares sobre o tinis SARS-CoV-2) podem persistir nas superfícies por algumas horas ou até vários dias.


📚Referência: Periódico: Visão Saúde. Março-Maio de 2020 pp. 8-10
Compartilhar:

VEJA PUBLICAÇÕES EM DESTAQUES ⤵️ :