VEJA TAMBÉM:

Termos Bíblicos para Descreverem a Igreja de Jesus

Já temos uma definição de Igreja com base nos termos bíblicos primários, como ekklêsia (um grupo de cidadãos reunidos visando um propósito específico) e kuriakos (um grupo que pertence ao Senhor).

A natureza da Igreja, no entanto, é por demais extensivas para ser englobada em poucas e simples definições. A Bíblia emprega numerosas descri­ções metafóricas da Igreja, sendo que cada uma delas retrata um aspecto diferente do que ela é e do que é chamada a fazer. Paul Minear observa que cerca de oitenta termos neotestamentários delineiam o significado e o propósito da Igreja. Explorar cada um deles seria um estudo fascinante. Mas, no presente capítulo, bastará examinar as designações mais relevantes.

1. POVO DE DEUS

O apóstolo Paulo aproveita a descrição de Israel no Antigo Testamento, aplicando-a a Igreja do Novo Testamento quando declara: "Como Deus disse: Neles habi­tarei e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo" (2 Co 6.16; Lv 26.12).

Por toda a Bíblia a Igreja é retratada como o povo de Deus. Assim como no Antigo Testamento Deus criou Israel a fim de ser um povo para si mesmo, também a Igreja no Novo Testamento é criação de Deus, "o povo adquirido" por Ele (1 Pe 2.9,10; Dt 10.15; Os 1.10).

Desde o começo da Igreja e no decurso de sua história, fica evidente que o destino da Igreja está alicerçado na iniciativa e vocação divinas. Conforme Robert L. Saucy, a Igreja é "um povo chamado para fora por Deus, incorporado em Cristo e habitado pelo Espírito".

A Igreja, como povo de Deus, é descrita em termos muito significativos. A Igreja é um corpo "eleito". Isto não significa que Deus tem arbitrariamente escolhido uns para a salvação e outros para a condenação eterna. O povo de Deus é chamado "eleito" no Novo Testamento porque Deus tem "escolhido" a Igreja para fazer a sua obra nesta era, por meio do Espírito Santo, que está ativamen­te operante a santificar os crentes e conformá-los à ima­gem de Cristo (Rm 8.28,29).

2. OS SANTOS

Mais de cem vezes o povo de Deus é chamado os "santos" (gr. hagioi) de Deus, no Novo Testamento. Não se entenda as pessoas assim designadas como uma condição espiritual superior, nem seu comportamento perfeito ou "santo". (As muitas referências à Igreja em Corinto como "santos de Deus" devem servir de indício suficiente desse fato.) Pelo contrário, ressalta-se novamente que a Igreja é a criação de Deus e que, pela iniciativa divina, os crentes são "chamados para serem santos" (1 Co 1.2).

O povo de Deus é frequente­mente designado como os que estão "em Cristo", o que dá a entender sejam beneficiários da obra expiadora de Cristo e participem coletivamente dos privilégios e responsabilidades de serem chamados cristãos (gr. cristianous).

3. CRENTES, IRMÃOS E DISCÍPULOS

Alude-se também ao povo de Deus de outras maneiras. Três delas merecem ser mencionadas resumidamente aqui: "crentes", "irmãos" e "discípulos".

   a)   "Crentes" provém do ter­mo grego pistoi ("os fiéis").  Esse termo dá a entender que o povo de Deus não somente creu, ou seja: em algum momen­to do passado deu assentimento mental à obra salvífica de Cristo, mas também vive continuamente em atitude de fé, confiança obediente e da dedicação ao seu Salvador. (Esse fato é ressaltado ainda por pistoi normalmente ser encontra­do no tempo presente no Novo Testamento, o que denota ação contínua).

   b)   "Irmãos" (gr. adelphoi) é um termo genéri­co, que se refere tanto a homens quanto a mulheres, fre­quentemente usado pelos escritores do Novo Testamento para expressar o fato de que os cristãos são chamados para amar, não somente ao Senhor, como também uns aos outros (1 Jo 3.16). O amor mútuo e a comunhão são inerentes entre o povo de Deus e servem para lembrar que, independente­mente de vocação ou cargo individual no ministério, todos os irmãos desfrutam de uma posição de igualdade na presen­ça do Senhor (Mt 23.8).

 c)  A palavra "discípulos" (gr. mathêtai) significa "aprendi­zes", "alunos" ou "estudantes". Ser aluno nos tempos bíbli­cos significava muito mais que escutar e assimilar mental­mente as informações dadas pelo professor. Esperava-se tam­bém que o aluno imitasse o caráter e a conduta do professor. O povo de Deus é realmente conclamado a ser discípulo semelhante ao seu Mestre, Jesus Cristo. Conforme declara Jesus: "Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeira­mente, sereis meus discípulos" (Jo 8.31).

Jesus não oferece nenhuma falsa impressão da vida de discípulo, como se fosse fácil e popularmente atraente (ver Lc 14.26-33), mas a tem por essencial àqueles que desejarem segui-lo.

O teólogo ale­mão Dietrich Bonhoeffer, acertadamente, observa que o verdadeiro discipulado cristão requer a disposição de deixar morrer o ego e de entregar tudo a Cristo. O discipulado autêntico é possível somente através do que Bonhoeffer chama "graça dispendiosa", acrescentando: "Essa graça é dispendiosa porque nos chama a seguir, e é graça porque nos chama a seguir Jesus Cristo. E dispendiosa porque custa ao homem sua própria vida, e é graça porque dá ao homem a única vida verdadeira".



4. CORPO DE CRISTO

Figura bíblica da máxima relevância para representar a Igreja é o "corpo de Cristo". Era a expres­são predileta do apóstolo Paulo, que frequentemente compa­rava os inter-relacionamentos e funções dos membros da Igreja com partes do corpo humano. Os escritos de Paulo enfatizam a verdadeira união, que é essencial na Igreja.

Por exemplo: "O corpo é um e tem muitos membros... assim é Cristo também" (1 Co 12.12). Da mesma forma que o corpo de Cristo tem o propósito de funcionar eficazmente como uma só unidade, também os dons do Espírito Santo são dados para equipar o corpo "pelo Espírito Santo... o mesmo Senhor... o mesmo Deus que opera tudo em todos... para o que for útil" (1 Co 12.4-7). Por esta razão, os membros do corpo de Cristo devem agir com grande cautela "para que não haja divisão [gr. schisma] no corpo, mas, antes, tenham os membros iguais cuidados uns dos outros" (1 Co 12.25; Rm 12.5).

Os cristãos podem ter essa união e mútua solicitu­de porque foram todos "batizados em um Espírito, formando um corpo" (1 Co 12.13). A presença do Espírito Santo, habitando em cada membro do corpo de Cristo, permite a manifestação legítima dessa união. Gordon D. Fee declara, com razão: “Nossa necessidade urgente é uma obra soberana do Espírito para fazer entre nós o que nossa 'união programada não consegue fazer”.

Embora deva existir união no corpo de Cristo, não se constitui antítese enfatizar que é necessária a diversidade para o bom funcionamento do corpo de Cristo. No mesmo contexto em que Paulo enfatiza a união, também declara: "Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos" (1 Co 12.14). Referindo-se à mesma analogia, em outra Epístola, Paulo declara: "Assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação..." (Rm 12.4). Fee observa que a união "não impor­ta na uniformidade... nem pode existir verdadeira união se não há diversidade".

A preciosa relevância dessa diversidade é ressaltada em todas as partes de 1 Coríntios 12, especialmente em conexão com os dons espirituais, tão essenciais ao ministério da Igreja (ver 1 Co 12.7-11,27-33; Rm 12.4-8).

Deus usa métodos diferentes para moldar os membros da Igreja. Ele não chama todos ao mesmo ministério nem os equipa com o mesmo dom. Pelo contrário, à semelhança do corpo humano, Deus formou a Igreja de tal maneira que ela funciona melhor quando cada parte (ou membro) cumpre com eficiência o papel (ou vocação) a que foi destinado.

Dessa maneira, há uma "unidade na diversidade" dentro do corpo de Cristo. Inerente a essa metáfora, portanto, exis­te a ideia da mutualidade: cada crente cooperando com os demais membros e esforçando-se em prol da edificação de todos. Esse modo de viver pode, por exemplo, envolver o sofrer com os que estão sofrendo dores ou o regozijo com os que estão sendo honrados (1 Co 12.26). Implica também em levar o fardo de um irmão ou irmã no Senhor (Gl 6.2) ou ajudar na restauração de quem caiu no pecado (Gl 6.1).

Há, nas Escrituras, uma infinidade de práticas citadas como exem­plos dessa mutualidade. A lição principal é que nenhum membro individual do corpo de Cristo pode ter um relacio­namento exclusivo e individualista com o Senhor.

Cada "indivíduo" é, na realidade, um componente necessário à estrutura corpórea da Igreja. Assevera Claude Welch: "Não há cristianismo puramente particular, porque estar na igreja é estar em Cristo, e qualquer tentativa no sentido de fazer uma separação entre o relacionamento com Cristo pela fé e a afiliação na igreja, é uma perversão do modo neotestamentário de entender o assunto".

Um último aspecto na figura do corpo de Cristo é o relacionamento entre o Corpo e sua Cabeça, Jesus Cristo (Ef 1.22,23; 5.23). Como Cabeça do Corpo, Cristo é tanto a fonte quanto õ sustento da vida da Igreja. À medida que seus membros se curvarem à liderança de Cristo e funcionarem conforme Ele deseja, o corpo de Cristo será alimentado e sustentado e "vai crescendo em aumento de Deus" (Cl 2.19). A unidade, a diversidade e a mutualidade, indispensáveis ao corpo de Cristo, podem ser conseguidas à medida que "cres­çamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, do qual todo o corpo... segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor" (Ef 4.15,16).

5. TEMPLO DO ESPÍRITO

Outra figura muito significativa da Igreja, no Novo Testamento, é "o templo do Espírito Santo". Os escritores bíblicos empregam vários símbolos para repre­sentar os componentes da construção desse templo, que têm seu paralelo nos materiais necessários à construção de uma estrutura terrestre.

Por exemplo: toda edificação precisa de um alicerce sólido. Paulo indica com clareza que o alicerce primário da Igreja é a pessoa e obra históricas de Cristo: "Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo" (1 Co 3.11).

Em outra Epístola, no entanto, Paulo afirma que, em outro sentido, a Igreja é edificada "sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas" (Ef 2.20). Talvez isto signifique que esses primeiros líderes tivessem sido usados de modo muito especial pelo Senhor, a fim de estabelecer e fortalecer o templo do Espírito com os ensinos e práticas que haviam aprendido de Cristo e que continuam a serem comunicados aos crentes hodiernos através das Escrituras.




Outro componente dessa edificação espiritual, que existe em estreita relação com o alicerce, é a "principal pedra da esquina".

Nas edificações modernas, a pedra da esquina é usualmente mais simbólica que parte integrante dos alicerces, onde é gravada a data em que foi lançada e os nomes dos principais benfeitores envolvidos. Na era bíblica, no entan­to, a pedra da esquina era da máxima relevância.

Normal­mente maior que as demais pedras, orientava o desenvolvi­mento do projeto para o restante da edificação e dava sime­tria à obra inteira. Cristo é descrito como "a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo no Senhor" (Ef 2.20,21; 1 Pe 2.6,7). As pedras normais, necessárias para completar a estrutu­ra, estavam ligadas à pedra da esquina.

O apóstolo Pedro retrata os crentes desempenhando aquele papel, e os descre­ve "como pedras vivas, [que] sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo" (1 Pe 2.5). O termo aqui empregado por Pedro é lithos ("pedra"), uma palavra grega muito comum. No entanto, em contraste aos sinônimos mais familiares, petros (uma pedra solta ou pedregulho) e petra (uma rocha sólida de tamanho suficiente para ser um alicerce), as "pe­dras vivas" (gr. lithoi zõntes), neste contexto, sugerem "pe­dras lavradas", ou seja, que foram cortadas e adaptadas pelo mestre da obra (Cristo) para encaixaram corretamente.  

Tanto em Efésios 2 quanto em 1 Pedro 2, os verbos que descrevem a construção desse templo usualmente estão no tempo presente, o que transmite a ideia de ação contínua. Talvez seja possível inferir daí que os cristãos "ainda estão em obras". O propósito é, naturalmente, enfatizar que a obra santificadora do Espírito é um empreendimento progressivo e contínuo a fim de realizar os propósitos de Deus na vida dos crentes. Estão sendo bem ajustados para ser um templo santo no Senhor, edificados para tornar-se morada de Deus no Espírito (Ef 2.21,22).

A metáfora do templo do Espírito Santo confirma ainda mais que a terceira Pessoa da Trindade habita na Igreja, quer individual, quer coletivamente. Por exemplo: Paulo pergun­ta aos crentes de Corinto: Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?...

“O templo de Deus, que sois vós, é santo” (1 Co 3.16,17). Nesse trecho específico, Paulo está se dirigindo à Igreja coletivamente ("vós"). Em 1 Coríntios 6.19, Paulo faz referência ao crente individual: "Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus?" Nos capítulos 3 e 6 de 1 Coríntios, bem como num texto semelhante, em 2 Coríntios 6.16, a palavra empregada por Paulo com o sentido de "templo" é naos.

Diferentemente do termo mais geral, hieron, que se refere ao templo inteiro, inclusive seus átrios, naos significa o santuário interior, o Santo dos Santos onde o Senhor manifesta a sua presença de uma maneira especial. Paulo está dizendo, com efeito, que os crentes, como templo do Espírito Santo, são nada menos que a habitação de Deus.

O Espírito de Deus não somente transmite à Igreja poder para o serviço (At 1.8), como também a sua vida, ao habitar dentro dela. Consequentemente, há um entendimento real de que as qualidades que exemplificam sua natureza (por exemplo, o "fruto do Espírito", Gl 5.22,23) acham-se na Igreja, evidenciando, assim, que ela está andando no Espírito (Gl 5.25).

6. OUTRAS FIGURAS

Além do conjunto um tanto trinitariano das figuras da Igreja, mencionadas supra (povo de Deus, corpo de Cristo, templo do Espírito Santo), muitas outras metáforas bíblicas nos ajudam a ampliar a perspectiva da natureza da Igreja.

Retratos da Igreja como o sacerdócio dos crentes (1 Pe 2.5,9), a Noiva de Cristo (Ef 5.23-32), o rebanho do Bom Pastor (Jo 10.1-18) e os sarmentos da Videira verdadeira (Jo 15.1-8) são algumas amostras das diversas maneiras como as Escrituras representam a compo­sição e as características distintivas da Igreja verdadeira, que consiste nos redimidos.

De maneiras diferentes, essas figuras de linguagem ilustram a identidade e propósito da Igreja, que Jesus expressa de modo tão belo na sua oração sacerdotal: [Rogo] para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu, em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste... para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim e que tens amado a eles como me tens amado a mim (Jo 17.21,23).

Referência:
- Site: Cristão Alerta { www.cristaoalerta.com.br }
- A Doutrina da Igreja. Escola Bíblica ECB. Ed.2019. São Paulo.

Compartilhar:

️ RECEBER NOVIDADES DO PORTAL CRISTÃO ALERTA
📩 Cadastre grátis seu e-mail para que possamos lhe enviar as novidades e lhe avisar sempre que o Portal Cristão Alerta publicar novos Estudos Bíblicos.
🛑 Passos:
1) Digite seu MELHOR e-mail e clique em CADASTRAR;
2) Em seguida abra o seu E-mail clique no link de confirmação que lhe enviaremos, afim de confirmar seu cadastro.

***

VEJA PUBLICAÇÕES EM DESTAQUES ⤵️ :